Um Frango Xadrez perfeito para crianças

Esta receita de frango xadrez, uma das mais populares da culinária chinesa, é deliciosa, econômica e agrada em cheio às crianças. E também é uma boa oportunidade para você mostrar aos pequenos que a culinária, como outras manifestações de uma cultura, também “viaja”.

E, para animar bastante e deixá-las com mais apetite, chame as crianças para ajudar no preparo. Se forem grandinhas, podem, com sua supervisão, ajudar a picar. Se forem pequeninas, podem dissolver o amido de milho e medir a água.

Vocês vão precisar de:

700 g de filé de peito de frango em cubos (pode ser aproximado)

2 colheres (sopa) de azeite

300 g de pimentão vermelho e amarelo em cubos

500 g de cebola em cubos

molho de soja a gosto

1 pitada de açúcar

2 colheres (sopa) de amido de milho dissolvido em 4 colheres (sopa) de água

cheiro-verde picadinho (opcional)

Para preparar:

Frite o frango no azeite até ficar bem douradinho. Acrescente o pimentão e a cebola. Em outra panela, acrescente 1 copo americano de água, molho de soja e uma pitada de açúcar. Por último, junte  o amido de milho dissolvido, o frango, o pimentão e a cebola. Mexa bem e, se gostar, polvilhe com o cheiro-verde. Sirva quente com arroz branquinho.

Rende 4 boas porções.

Bom apetite!

 

Como formar jovens leitores

jovem leitor“Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar”, escreveu o autor mineiro Rubem Alves (1933-2014). E é nisso que muitos adultos, preocupados com a educação dos filhos, acreditam. A literatura, todos sabemos, é um dos mais importantes pilares na formação da criança e do jovem. Não é?

Ponto pacífico. Taí Roland Barthes (1915-1980), intelectual que dispensa apresentações e que não nos deixa mentir, quando afirma que “se todos as disciplinas um dia desaparecessem dos currículos universitários, bastaria que ficasse a literatura, uma vez que ela contém todas as outras disciplinas”. Total apoio!

Bem, essa é a opinião de escritores, estudiosos da literatura, editores e muitos outros adultos que, por “vício da profissão”, são fiéis a essa doutrina.

Mas e as crianças e jovens? Esses que queremos atrair e conquistar para o mundo múltiplo e fértil da  literatura? É fácil fazê-los ver essa “verdade”?

Fácil, nem sempre. Mas possível, sim. Para isso, é preciso primeiro prestar atenção a uma das palavras usadas no parágrafo anterior: múltiplo. Como?

Saibam aqueles que repudiam vampiros e distopias da moda literária que a incontestável boa literatura pode não ser a maneira mais eficaz para conquistar os jovens leitores mais arredios, pelo menos até onde boa literatura pode se confundir com os textos consagrados. A aproximação do texto literário à realidade do leitor (forma mais eficaz de comunicar) trouxe com ela também uma certa rejeição aos textos do repertório tradicional, em que a linguagem da obra reflete a época em que foi gerada.

É natural essa rejeição por parte das crianças (se seu filho é uma exceção, considere-se uma pessoa de sorte!). Se queremos que elas vejam o livro como brinquedo e diversão, um texto com muitos termos enigmáticos não vai facilitar a tarefa. E aí entra a importância da multiplicidade. A diversidade dos textos literários (e não literários também) possibilita que a criança descubra (com a nossa ajuda) o tipo de texto que lhe agrada. Essa primeira aceitação do lúdico na leitura é importantíssima. Depois de conquistada e apaixonada por livros, qualquer que seja o gênero destes, milhares de portas se abrirão para o jovem leitor, entre elas aquelas que o levarão para onde  pais e professores desde o início queriam conduzi-lo: o mundo da boa literatura.

Com calma e sem preconceitos, podemos ajudar nosso leitor iniciante a alcançar um refinamento literário por esse caminho que é quase intuitivo.

O importante é sermos seus parceiros nesse caminho!

 

6 dicas para criar filhos solidários

solidariedade

Saber se colocar no lugar do outro, identificar-se com os seus sentimentos e oferecer apoio e auxílio… essas são habilidades que caracterizam indivíduo solidário. Quem gostaria de vê-las refletidas nas atitudes dos filhos levante a mão! \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

É claro que todos nós queremos que nossos filhos sejam solidários e que contribuam para um mundo melhor por meio dessa empatia com o outro. Mas como ajudá-los nesse aprendizado?

Não existe uma fórmula, um passo a passo para seguirmos, mas algumas observações podem ser úteis:

1. A mais óbvia e importante: seja você também solidário. O exemplo é o melhor mestre.

2. Comece cedo. Sempre que for fazer aquela arrumação no quarto ou no armário, separando brinquedos e roupas que já não servem ou não são usados, deixe que a criança o ajude, explicando que aqueles objetos e roupas servirão para outra criança. Esse é um bom momento de lembrar por que é preciso ter cuidado com os brinquedos e conservá-los em bom estado, para que eles possam ser passados adiante.

3. Envolva a família inteira. Quando houver uma campanha de donativos (por exemplo: campanhas de agasalhos no inverno ou de emergência numa enchente), é importante que todos os membros da família participem – desde a escolha do que doar até ir aos pontos de entrega das doações. Se doarem para uma instituição específica (um orfanato, por exemplo), leve seu filho até lá.

4. Deixe as crianças participarem de todos os momentos familiares. Nós pais queremos instintivamente proteger nossos filhos de situações desagradáveis e de problemas. Mas pesquisas mostram que as crianças que conhecem os sucessos e fracassos da família são mais resistentes e mais capazes de lidar com o estresse. Se você foi demitido e está triste com isso, por exemplo, explique o que aconteceu e como está se sentindo. É importante que elas tenham a oportunidade de oferecer o seu apoio.

5. Estimule-as. Sempre que as crianças demonstrarem voluntariamente preocupação com o outro e a intenção de ajudar, não as tolha. Permita que ponham em prática seu gesto de ajuda, por menor que seja. Um abraço ou a mão estendida podem valer tanto quanto o auxílio material.

6. Defenda os injustiçados. Muitas vezes nossos filhos serão vítimas ou testemunhas de pequenas injustiças: a professora que chama a atenção do aluno errado, um amiguinho que acusa o outro indevidamente etc. Mostre a seu filho que ele pode e deve ser imparcial e sair em defesa do outro.

Aproveitar todas as ocasiões para ajudar o próximo é o melhor caminho para a formação de futuros cidadãos solidários.

 

Aprimore o seu português

portuguesFalar e escrever na sua língua podem pa­re­cer tarefas sim­ples e naturais, mas, na prá­ti­ca, en­vol­vem ha­bi­li­da­des com­ple­xas. Sem dominar es­sas ha­bi­li­da­des, vo­cê cor­re o ris­co de não ser en­ten­di­do em suas re­la­ções fa­mi­lia­res ou so­ciais, no tra­ba­lho ou no estudo. Além de causar má impressão!

Mais do que de um talento natural, a boa co­mu­ni­ca­ção lin­guís­ti­ca de­pen­de de ha­bi­li­da­des que po­dem ser ad­qui­ri­das e apri­mo­ra­das. Quanto maio­res as suas ha­bi­li­da­des pa­ra es­cre­ver e se ex­pres­sar bem na nossa língua, o português, maio­res se­rão tam­bém as chan­ces de ter su­ces­so em mui­tos as­pec­tos da vi­da pes­soal e pro­fis­sio­nal.

Lembremos que entre os três ele­men­tos bá­si­cos da es­cri­ta e da fa­la – um emis­sor, uma men­sa­gem e um re­cep­tor – po­de ha­ver “ruí­dos” pre­ju­di­ciais à co­mu­ni­ca­ção, impedindo a sua eficiência. Pode ser um fa­tor fa­cil­men­te per­cep­tí­vel, co­mo um vo­ca­bu­lá­rio ina­de­qua­do ou um am­bien­te ba­ru­lhen­to. Ou fa­to­res mais su­tis, co­mo fal­ta de sin­to­nia com a pla­teia ou fal­ta de con­fian­ça em si mes­mo. Um discurso monótono ou re­ple­to de cons­tru­ções po­bres e uma car­ta de­sor­ga­ni­za­da, por exemplo, cos­tu­mam fa­lhar em seus ob­je­ti­vos de co­mu­ni­ca­ção. Sempre que vo­cê ti­ver al­go a di­zer, va­le a pe­na pen­sar em co­mo po­de­rá di­zê-lo de for­ma mais cla­ra, mais ele­gan­te e mais objetiva.

Para isso, existem vá­rias téc­ni­cas eficazes: de es­tra­té­gias ge­rais (ser aten­cio­so com a pla­teia, por exem­plo) a de­ta­lhes  es­pe­cí­fi­cos (co­mo o po­si­cio­na­men­to do ver­bo no iní­cio da fra­se). Você pode dominar essas técnicas, pode acreditar. Algumas sugestões para ajudá-lo nesse caminho:

1. Leia muito. De preferência bons autores nacionais. Assim você terá contato com o melhor da nossa literatura, e poderá observar os diferentes estilos dos autores.

2. Não tema o dicionário. Em papel ou eletrônicos, os dicionários são nossos melhores amigos na hora de escrever. Além de informar a grafia correta das palavras, eles podem nos oferecer sinônimos para evitar repetições e exemplos de uso.

3. Quando tiver uma dúvida gramatical ou de vocabulário, procure esclarecê-la. Nada favorece mais o erro do que pontos obscuros à sua compreensão.

4. Porque essa é a sugestão mais importante, vou repeti-la: leia, leia e leia!!

5. Tenha sempre um bom manual de redação à mão.

Bons textos e discursos!

Feliz Dia das Mães, para mães e filhos!

dia-maesHá quem critique datas comemorativas como a que festejamos domingo: o Dia das Mães. Alegam que se trata apenas de uma estratégia comercial para vender mais, que não passa de uma celebração do consumo, e não de uma homenagem a essa pessoa tão importante em nossa vida.

Podem ter razão, sim, se pensarmos na correria aos shoppings às vésperas para comprar o presente ou nas filas nos restaurantes nesse dia. Mas para a criança que fica horas confeccionando um cartão, um desenho ou outro presente feito por ela mesma para a mãe, e para esta, que recebe os desenhos de flores e corações e lê naquelas letrinhas tortas e incertas frases como: “Você é linda”, “É a melhor mãe do mundo” e “Eu te amo”, essa data não tem nada de comercial. Os beijos e abraços não são mera convenção.

Para os filhos adultos também, esse é um momento de parar e pensar no quanto é bom estar perto dessa pessoa que tanto se dedicou a nós. E, se você não tem a sorte de ainda tê-la viva e por perto, não é hora de lamentar a sua falta, mas de lhe prestar uma homenagem, não permitindo que a tristeza chegue e se instale. Afinal, não é o que ela iria querer, não é mesmo? (Isso certamente é mais fácil para quem tem filhos, mas mesmo para quem não os tem, vale o esforço de homenagear sua mãe com a sua alegria.)

Assim, na companhia de sua mãe ou de seus filhos – ou, se você é uma pessoa sortuda, dos dois –, aproveite esse dia, uma data doce como colo de mãe. Em casa, em um restaurante ou seja lá onde for, faça um brinde a quem o gerou (no ventre ou no coração), o acalentou,  cuidou de você e lhe dedicou esse que é o maior amor do mundo.

Feliz Dia das Mães!

 

Saldão Seleções! Nós também aderimos à Black Friday!

saldaoQuem nunca criticou a incorporação de hábitos e tradições estrangeiras ao nosso dia a dia? Muitos veem isso como um agravo à nossa cultura. Um exemplo? A comemoração do Halloween ou Dia das Bruxas, que de uns anos para cá vem conquistando cada vez mais simpatizantes (tem sempre quem não perde a chance de festejar, independentemente do motivo).

Mas, se você é da turma que critica (às vezes eu sou também, humpf!), vale lembrar que toda regra tem sua exceção: neste caso, o que eu quero dizer é que alguns desses hábitos até há pouco estranhos à nossa cultura têm lá as suas vantagens. A Black Friday, por exemplo, que é aquela sexta-feira após o Thanksgiving Day (Dia de Ação de Graças) – feriado dos mais importantes em muitos países e que sempre cai numa quinta-feira. Na sexta que o segue, o comércio faz uma grande liquidação, dando início à temporada de compras do Natal.

O termo começou a ser amplamente empregado nos Estados Unidos, no sentido que é usado hoje, na década de 1970. Mas faz pouco tempo que não só o termo, como também a prática, começaram a se adaptar aos trópicos e animar os comerciantes brasileiros. E parece que chegou para ficar, pois cada vez mais os descontos valem a pena de verdade e não são mais aquela história de “tudo pela metade do dobro do preço”. E isso é bom para todos: para o comércio, que tem a chance de renovar o seu estoque, e para o consumidor, que aproveita para comprar com preços melhores.

Pois nós também aderimos. Para você que gosta do conteúdo e dos produtos de Seleções, esta é uma ótima notícia. Nossos produtos, sobre os quais sempre comentamos e damos pequenas “provas” aqui no blog, estão com preços espetaculares. Dê uma olhadinha em nossa loja, e veja que as ofertas do saldão estão imperdíveis.

Aproveita!

 

7 itens da cozinha para melhorar seu astral

alto_astral_2_redUm monte de pequenos fatos e acontecimentos em nossa vida pode gerar um estado de melancolia. E alguns deles simplesmente não dependem de nós. O que de fato está sob seu controle? Ter atitudes inteligentes que revigorem seu estado físico e mental quando o caminho estiver acidentado. E muitas vezes a possível solução está bem perto de você: na cozinha. Embora não seja possível abrir a porta da despensa e fazer saltar dela o bom humor, alguns itens dali podem ajudar:

1. Consuma peixes: O ômega-3 influencia os neurotransmissores cerebrais responsáveis pela “felicidade” e reduzem as inflamações que podem danificar as células cerebrais. Peixes ricos em ômega-3: sardinha, salmão, atum, arenque.

2. Incremente a vitamina B6: Os sintomas da deficiência desse nutriente incluem fadiga e mal-estar. Fontes ricas em vitamina B6 incluem: atum, salmão (eles de novo aqui!!), cogumelos secos do tipo crimini e linhaça.

3. No café da manhã, consuma um cereal enriquecido com ácido fólico: Cerca de 40% das pessoas que recebem diagnóstico de depressão apresentam deficiência de ácido fólico. Outras fontes de folato (o ácido fólico na forma naturalmente encontrada nos alimentos): lentilha e grão-de-bico.

4. Mergulhe na vitamina do sol: O corpo utiliza a luz solar para fabricar a vitamina D, que na realidade é um hormônio, não uma vitamina. Baixos níveis de vitamina D são comuns em pessoas deprimidas, ao passo que as pessoas alegres apresentam níveis mais elevados dessa vitamina. Aproveite a felicidade de morarmos num país tropical e termos sol abundante!!

5. Salpique castanha de caju nos cereais: Os níveis sanguíneos de zinco nas pessoas deprimidas também são mais baixos. Os cereais matinhas enriquecidos também fornecem zinco. Acrescentando mais 30 g de castanhas de caju, você ganha um reforço extra desse mineral.

6. Saboreie um chocolate para levantar seu astral: O chocolate amargo interage com os mensageiros químicos do cérebro responsáveis por regular o humor.

Conheça outras maneiras de melhorar sua saúde e seu bem-estar pela alimentação em A cura no armário da cozinha, publicado pela Seleções.

Vinagre: bom para o paladar, a saúde e a beleza

vinagreNa Bíblia já encontramos referência às propriedades medicinais do vinagre. Desde os primórdios da civilização, o vinagre foi utilizado não só como conservante e tempero de alimentos, mas também como remédio para diversos males (por exemplo: controle da hipertensão, auxiliar no processo da digestão, antioxidante)  e como produto de beleza (combate a obesidade e a oleosidade da pele e dos cabelos). Em sua produção, bactérias presentes em líquidos fermentados e açucarados, como o vinho ou a sidra, transformam o álcool em ácido acético.

Para a produção de vinagres de qualidade são indispensáveis excelentes ingredientes e um longo tempo de maturação. O vinagre confere à salada, em combinação com o azeite certo, um sabor especial.

Os tipos mais comuns são:

Vinagre balsâmico vermelho e branco

É considerado o mais refinado dos vinagres. O balsâmico (aceto balsâmico) tradicional ou natural tem origem na província italiana de Modena ou em sua vizinha Reggio Emilia. O mosto em conserva fermenta por vários anos e amadurece durante décadas. Seu sabor agridoce combina com saladas italianas (com tomate e mozarela) e com morangos.

Vinagre de maçã

É o vinagre suave e frutado feito a partir da sidra. Também é consumido, diluído em água, como meio de estimular o metabolismo. É saboroso em saladas de aves e saladas cruas.

Vinagre de arroz

Feito a partir da fermentação de vinho de arroz. Tem sabor quase neutro e, por causa do baixo teor de acidez (5% a 6%), um tanto suave. Ideal para saladas com características asiáticas.

Vinagres de vinho tinto e vinho branco

Obtidos de um vinho puro, têm teor de acidez de 6% a 8%. O vinagre de vinho branco tem sabor doce e picante. O de vinho tinto é mais forte e tem leve sabor de frutas. A qualidade e o sabor dependem do vinho usado e do grau de maturação.

 

Duas receitas para você criar o seu vinagre especial:

Vinagre de framboesa

250 g mais 1 punhado de framboesas frescas

1 litro de vinagre de vinho branco com teor de acidez de 7%

1 colher (sopa) de mel

Lave e seque os 250 g de framboesas; coloque-as em uma panela e amasse-as levemente. Adicione o vinagre e o mel e aqueça a 40°C. Ponha a mistura em um copo ou garrafa grande de vidro e vede com um tampão feito de gaze. Reserve por 14 dias em local escuro e não muito frio, agitando de vez em quando. Passe a mistura primeiramente por uma peneira bem fina e, em seguida, filtre em uma toalha de musselina. Coloque em um frasco e, antes de fechá-lo, adicione o punhado de framboesas frescas bem lavadas. Guarde em local fresco e escuro.

 

Vinagre de ervas

3 ramos de manjericão

2 ramos de tomilho

3 ramos de manjerona

1 ramo pequeno de alecrim

3 ramos de salsa

1 ramo de tomilho-limão

1 colher (sopa) de grãos de mostarda

6 grãos de pimenta-do-reino

1 litro de vinagre de vinho tinto ou branco (7% de acidez)

Lave as ervas e seque cuidadosamente com papel-toalha. Coloque-as com os grãos de mostarda e de pimenta-do-reino em um ou mais frascos cuidadosamente lavados. Cubra com o vinagre e feche bem o frasco. Guarde em local escuro e não muito frio por 3 a 4 semanas.

O que fazer com as sobras de chocolate da Páscoa

sobras de ovos de pascoa_2Quem tem mais de uma criança em casa e família e amigos generosos, enfrenta um “difícil” problema depois da Páscoa: aproveitar a grande quantidade de sobras de chocolate que abarrota a geladeira – em geral todos com a embalagem aberta, pois as crianças querem no mesmo dia os brinquedinhos que recheiam os ovos.

Se você optar por congelá-los, pode usá-los mais tarde em algumas receitas. Para consumir puro, não é muito bom, pois o chocolate costuma ficar esbranquiçado.

Assim, seguem algumas sugestões para aproveitar essas sobras ainda esta semana ou ao longo do ano, descongelando-os aos poucos:

1. Cookies com pedaços de chocolate

Numa tigela, misture 2 1/2 xícaras de farinha de trigo, 1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio ou fermento em pó e 1 pitada de sal. Em outra tigela, misture 1 xícara de açúcar mascavo e 1/2 xícara de açúcar refinado. Acrescente 1 xícara de manteiga cortada em cubinhos e bata com a batedeira até obter uma mistura granulosa. Junte 2 ovos inteiros e 2 colheres (chá) de extrato de baunilha (opcional). Adicione a mistura da farinha e 2 xícaras de chocolate picado (pode ser ao leite, amargo ou branco – ou uma mistura dos três). Disponha em colheradas distantes 2 cm umas das outras em tabuleiros untados e polvilhados com farinha de trigo e leve ao forno pré-aquecido por cerca de 20 minutos (ou até começar a dourar). Transfira os cookies para uma superfície fria com uma espátula.

Veja outra opção de cookies com chocolate branco aqui.

2. Musse de chocolate

Bata bem 3 gemas, junte 2 colheres (sopa) de açúcar e bata mais um pouco. Derreta em banho-maria 200 g de chocolate meio amargo (ou uma mistura de amargo, meio amargo e ao leite) e acrescente às gemas batidas. Junte 1 lata de creme de leite e continue batendo. Por último, acrescente as 3 claras batidas em neve. Em seguida, leve à geladeira e sirva quando estiver gelado.

3. Cobertura de chocolate

Um bolo de cenoura (ou de outro tipo) fica delicioso se você derreter pedaços de chocolate, misturar com creme de leite gelado e usar como cobertura.

4. Brigadeiro

Uma opção para o brigadeiro é substituir as 3 colheres de chocolate em pó por 6 ou 8 colheres de raspas de chocolate em barra. Fica um espetáculo!

Agora é só se deliciar!! E os cookies e o bolo ainda podem ser incluídos na merenda das crianças.

Organize uma caça aos ovos de Páscoa

  1. caca aos ovos

A caça aos coloridos ovos de Páscoa é uma tradição que teve origem em cerimônias pagãs de várias culturas. No Brasil, é mais comum no Sul, graças aos imigrantes. Mas essa é uma prática que as crianças adoram e, em qualquer lugar, é possível organizar uma divertida caçada para as crianças:

1. Os ovos podem ser ovos de galinha cozidos e em seguida pintados com tinta de várias cores (nesse caso, se for comê-los, use corante), ou ovos de Páscoa de chocolate (se preferir, faça-os você mesmo – veja aqui).
2. No quintal ou jardim, ao ar livre, é muito divertido, mas você também pode organizar a caçada dentro de casa, onde é bem fácil escondê-los.
3. Na grama ou no piso de casa, deixe o rastro do coelho, juntando a ponta dos dedos de uma das mãos (menos o “mindinho”), mergulhando-a na farinha de trigo e fazendo as pegadas no chão. Elas ficam mais visíveis e mais facilmente identificáveis dentro de casa.
4. Cuide para que todas as crianças encontrem os ovos (de preferência em números equivalentes). Uma boa solução para isso é identificar os ovos com nomes, e, claro, acompanhar a caçada com dicas de “quente” e “frio”.
5. Se quiser sofisticar, prepare mapas do tesouro para cada criança. Seguir as indicações do mapa é quase tão gostoso quanto comer o chocolate.

Depois é só aproveitar as delícias resultantes da caçada!!

Sem esquecer de explicar para as crianças, a verdadeira história da Páscoa. Quer se inspirar? Leia aqui.

Feliz Páscoa!!

Crianças

Veja também