Como escolher roupas e objetos para doar

doacao“Quem tem duas túnicas reparta-as com quem não tem nenhuma”, já dizia João Batista, o primo de Jesus. Todos temos algo para doar, e há sempre alguém que precisa mais do que nós.

A prática de doar é algo tão universal que não tem idade, sexo, condição social nem religião. É neste espírito que convido a você a separar algumas peças do seu armário para dar a quem precisa. Mas antes veja alguns critérios importantes na hora de fazer a sua doação:

Separe peças que possam realmente ser usadas
Não adianta doar roupas rasgadas, manchadas ou puídas. Se você tem roupas nesse estado, o melhor é jogá-las fora e separar apenas as que realmente possam ser usadas.

Está na dúvida se é a hora de dar ou não determinada peça? Avalie quanto tempo você não usa aquela roupa
Se você tem uma jaqueta de couro que não usa há dois invernos, nem pense duas vezes: está na hora de ela aquecer alguém que vai usá-la de fato. Utilizando um critério ainda mais rigoroso, se você não usou determinada roupa em um ano, o melhor é tirá-la da gaveta e doar. Dizem que assim abrimos espaço para o novo chegar!

Escolha com atenção a instituição para a qual vai doar
Se puder, verifique que tipo de trabalho ela faz, como atua e se realmente doa (em vez de vender em bazares, por exemplo). Ou procure alguém de confiança que faça esse tipo de trabalho. Outra opção, se você conhecer alguém que precisa, é pular o intermediário e doar diretamente!

“Contamine” quem mora com você
Fazer o bem é contagiante. Se você tiver filhos, ensine-os a separar os brinquedos de que não gostam mais. Se for casada(o), incentive seu cônjuge a fazer a arrumação do lado do guarda-roupa dele(a) também. Ou até mesmo se morar com um amigo sugira a ele fazer a arrumação na mesma época que você, assim vocês podem procurar juntos uma instituição que faça esse trabalho.

O importante é nos unirmos pelo bem do próximo e fazer o que está ao nosso alcance para que os outros tenham aquilo que, muitas vezes, nós temos de sobra!

Apaixonada por livros desde a infância, descobriu que poderia inspirar pessoas por meio das palavras. Dia após dia, vive em busca de conhecimento e procura olhar para o céu como uma lembrança das infinitas possibilidades de ser feliz.