Primavera: tempo de alergia

alergiaCom a chegada da primavera, que começa oficialmente no dia 23 de setembro, aumentam os casos de alergias causadas pelo pólen das plantas. Nesta época do ano é mais comum as pessoas sofrerem crises de asma, rinite alérgica, conjuntivite, entre outros problemas respiratórios. O tempo seco e a variação de temperatura são os principais fatores que contribuem para esses quadros. Mas exatamente por que ficamos mais alérgicos na primavera?

Nesse período de intensa florescência das árvores e polinização das plantas, os grãos de pólen, que são estruturas masculinas de reprodução, são levados até as partes femininas das flores por diversos meios. Alguns deles são o vento e os insetos. Com isso, aumenta a quantidade desses grãos no ar e o pólen torna-se um incômodo extra para aqueles que já sofrem de alergias a outros elementos, como ácaros e fungos. Essas alergias são conhecidas como sazonais ou primaveris e costumam atingir mais os adolescentes e jovens adultos do que as crianças.

O pólen causa problemas respiratórios quando penetra nas vias nasais, provocando crises de asma e rinite alérgica, espirros em sucessão, coriza e congestão nasal. Algumas pessoas podem ter falta de ar e chiado no peito. Outro problema bastante comum é a conjuntivite alérgica, que provoca coceira e vermelhidão nos olhos.

Isso acontece no Brasil?

A alergia ao pólen é mais comum em regiões com as estações do ano bem definidas, como é o caso de países como Estados Unidos e Canadá, além de alguns da Europa. No Brasil, os maiores índices dessas alergias estão nos Estados da região Sul. Outro grupo de risco são os que já sofrem de rinite alérgica. De acordo com a Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia), 25% da população brasileira enfrenta esse problema.

testeEspecialistas recomendam especialmente nessa época uma boa limpeza da casa, principalmente quarto, onde as pessoas passam a maior parte do tempo. Além disso, é preciso fazer os testes para identificar o tipo de alergia que a pessoa sofre. O método mais usado é o teste cutâneo, no qual os extratos dos alérgenos suspeitos são colocados na pele do paciente para que o médico observe a reação desenvolvida no local. O segundo método são os exames laboratoriais realizados com o soro do paciente.  Contudo, graças a sua origem genética, não há como evitar o surgimento da alergia.

Alergias da primavera não são, contudo, um problema exclusivo de regiões com intensa vegetação, já que os fortes ventos característicos da estação fazem com que as regiões urbanas também fiquem expostas ao pólen. Jardins e plantas ornamentais criadas em casa, além de árvores com floradas exuberantes, chamaram a atenção de especialistas brasileiros por também serem uma fonte dessas alergias, principalmente para os “pacientes com doença alérgica hereditária definida”.

Alívio permanente

A maneira de evitar permanentemente crises alérgicas é dar um “choque” no sistema imunológico com imunoterapia – sim, as vacinas contra alergia, que você toma em um período de vários meses ou anos, contêm doses cada vez maiores da substância à qual você é alérgico. Com o tempo, o seu sistema imunológico passa a tolerar o alérgeno.

Lavando o nariz

remedioLave diariamente as narinas. Assim como uma boa chuva limpa o pólen do ar, uma solução salina lava os alérgenos que estão na suas narinas. Uma pesquisa revelou que lavá-las três vezes ao dia durante os períodos em que as alergias são mais comuns melhorou a congestão, os espirros e a coceira e reduziu o uso dos anti-histamínicos de que os participantes precisavam.

Para preparar a solução salina em casa, misture ½ colher (chá) de sal, ½ colher (chá) de bicarbonato de sódio e 500 mL de água morna. Como colocar no nariz? Use um conta-gotas pediátrico ou um dispositivo de irrigação nasal, encontrado em lojas de produtos naturais ou farmácias, usado na medicina aiurvédica da Índia. Incline-se sobre uma pia e vire a cabeça de modo que a sua narina esquerda aponte para baixo. Delicadamente, lave a narina direita com 250 mL da solução, que escorrerá pela narina esquerda. Ao terminar, assoe delicadamente o nariz. Repita com a outra narina.

“Rata” de livraria, jornalista (escritora um dia, quem sabe?) e catálogo de música ambulante. Adora sorvete, cachorros e viajar. Mais do que isso, adora conhecer pessoas e suas histórias e fazer amigos.