Seu pet tem medo de fogos?

seu pet tem medo de fogosEm época de festividades em que seja tradição soltar fogos de artifício, especialmente no Réveillon, muitos animais sofrem com o barulho desconhecido e, para seus ouvidos, ensurdecedor. As consequências passam por perda de controle do intestino e da bexiga; lesões autoinfligidas em resposta a ansiedade; convulsões; trauma e mudança de comportamento; e, em casos extremos, porém não raros, tragédia: apavorados e desesperados, os animais chegam a se enforcar na própria coleira, se atirar de andares altos e se jogar à frente de carros. Para piorar o quadro, isso acontece em um momento em que o acesso a atendimento veterinário emergencial está dificultado. Portanto, se seu pet tem medo de fogos, confira algumas dicas para preservar o bem-estar e segurança dele.

Criação indoor. Sempre.

Uma adoção responsável inclui criação indoor — sem acesso à rua. Esqueça tudo que você já ouviu sobre a ideia romântica de que animais, particularmente gatos, precisam “vadiar” para ser felizes. Pets podem explorar as redondezas por serem naturalmente curiosos ou em busca de um parceiro, caso não sejam esterilizados — e o argumento de que eles “precisam” cruzar ao menos uma vez na vida não passa de outro mito —, mas não são adaptados à nossa sociedade. Não à toa, a expectativa de vida de um animal com acesso à rua é muito menor do que a de um criado indoor: a esperteza do pet não o torna imune a atropelamentos, envenenamentos, brigas, agressões e contágios. Se a casa for preparada para impedir o acesso à rua, já eliminamos pelo menos duas das mais graves possíveis consequências do pânico de fogos: fugas e quedas de andares altos.

Não tente conter seu animal com uma guia.

Um tutor bem-intencionado pode achar que prender o animal com uma guia vai conter sua agitação, mas isso é perigoso: a ansiedade provoca movimentos frenéticos nos animais, e eles podem acabar se enforcando.

Tampões de ouvido.

Tufos de algodão já dão conta do recado. Coloque um, no tamanho apropriado, em cada ouvido do animal para abafar os sons.

Ambiente controlado.

O ideal é que, em dias com estouro de fogos de artifício, os animais sejam mantidos dentro de casa, não no quintal. Caso os tutores não estejam em casa, uma boa opção é deixar a televisão ou o rádio ligados, num volume não muito alto para o tiro não sair pela culatra e acabar estressando mais os pets. Se estiverem presentes, podem ir aumentando gradualmente o som dos aparelhos. Evite cômodos em que haja portas de vidro, para não correr o risco de eles se jogarem contra elas. Coloque travesseiros e almofadas nas paredes, para evitar impactos, e cobertores nas janelas, para abafar mais ainda o som. Forre possíveis tocas, como dentro do guarda-roupa ou embaixo da cama, com uma fronha ou cobertor. Apoie bebedouros e caixas de areia na parede ou num móvel firme, para que não sejam derrubados. Comida não deve ser deixada à vontade. Dê as refeições em horários programados e priorize uma alimentação leve, para prevenir distúrbios digestivos. Ventiladores e ar-condicionados também produzem sons reconfortantes, além de mitigar outra causa de estresse, em especial no final de ano no Brasil: o calor. Animais, particularmente cães, podem descontar sua ansiedade e medo uns nos outros, então, caso tenha mais de um e seja possível, pode ser prudente mantê-los separados se não estiver em casa com eles ou não tiver condições de separar possíveis brigas.

Florais e sedação.

Calmantes florais podem ajudar no controle da ansiedade do animal. Uma outra opção é a sedação, que deve ser feita e supervisionada pelo seu veterinário de confiança.

Truque do pano (Tellington touch).

A técnica, desenvolvida por Linda Tellington-Jones e inicialmente aplicada em cavalos, consiste em amarrar um tecido sobre peito e dorso do animal, formando um oito. A leve pressão ativa o sistema nervoso autônomo, fazendo o pet sentir-se mais seguro. Também há no mercado produtos como camisetas e coletes antiestresse, criados a partir do Tellington touch.

Adestramento.

Além das opções de emergência, você e seu bichinho podem se preparar para as festas do próximo ano com um adestramento específico para trabalhar a ansiedade causada por sons altos. O canal Adestrador Online adota o chamado adestramento positivo, sem punições que podem acabar traumatizando o animal.

Apaixonada pela literatura, pelo objeto livro e por cada etapa de sua produção, cursa graduação em Letras na UERJ, onde promove iniciativas de capacitação para o mercado editorial para aqueles que compartilham do mesmo sonho: viver de fazer livro.